Área de desmatamento na Amazônia diminui

Nenhum comentário »

Área de desmatamento na Amazônia Legal diminui em 18% em 1 ano, de acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), publicados nesta quarta-feira, 26.
É classificada como desmatadas áreas maiores que 6,25 hectares onde admita corte raso da vegetação nativa.

Segundo o Projeto de Monitoramento do Desmatamento da Amazônia (Prodes) a área onde realizou-se o desmatamento completo da cobertura vegetal passou de 5.891 para 4.848 km².

Francisco Oliveira, como diretor do Departamento de Políticas de Combate ao Desmatamento do Ministério do Meio Ambiente, conferiu o ótimo resultado à elaboração de programas socioambientais e ao aperto na fiscalização.

“Vamos continuar perseguindo a meta de reduzir a área de desmatamento a 3.925 km² até 2020″, diz Oliveira.

O levantamento mensal foi feito pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), aponta que houve aumento de 467% no desmatamento da Amazônia Legal em outubro em comparação com o mês antecedente.

Essa grande diferença entre os resultados dá-se por uma discrepância metodológica, visto que as instituições participantes da pesquisa utilizam métodos diferentes para sua conclusão.

Para alguns ambientalistas a queda é razoavelmente positiva. A área de desmatamento de agosto 2013 à julho de 2014 foi maior que a registrada entre 2011 e 2012. Além disto, segundo dados do governo de agosto à outubro, a taxa de desmatamento tende a crescer.

novembro 28th 2014 Sustentabilidade brasileira

Surpreendentes ideias sustentáveis

2 Comentarios »

É sabido já que cada vez mais as empresas têm investido em ideias sustentáveis, atentas ao quanto que são importantes para a manutenção do planeta, bem como ao apelo positivo que elas trazem. Algumas destas ideias são realmente muito interessantes, e podem servir como modelo para aplicação. Separamos aqui algumas delas para discutirmos sua viabilidade.

Uma delas diz respeito a um hotel que oferece refeições sem custo algum, desde que a pessoa esteja disposta a gerar eletricidade. Esta geração vem de um sistema de bicicletas ligadas a um gerador de eletricidade, assim, ao pedalar, acaba-se  por gerar eletricidade para o hotel. O hotel é o Crown Plaza Hotel, em Copenhague, na Dinamarca.

Outra boa ideia é um interruptor inteligente, que muda de cor de acordo com o número de horas que a luz está acessa. Se o interruptor fica ligado até uma hora, a cor é verde. Se chega a quatro horas, amarelo. E se passa de oito horas, vermelho. Uma boa maneira para nos darmos conta do consumo de energia elétrica no ambiente doméstico. Projeto ainda  não realizado.

Com o aumento do uso de aparelhos eletrônicos, muitas são as ideias para carregar estes aparelhos. Uma das mais inovadoras vezes de uma invenção simples: a energia viria de apertos de mão num objeto. Neste caso, além de carregar o celular ainda se estaria fazendo exercícios. Projeto ainda  não realizado.

Por fim, uma das mais interessantes: uma pista de dança que capta a energia produzida através da dança. Este projeto existe, e fica numa danceteria de Londres, o Bar Surya. O piso é revestido com placas que produzem corrente elétrica, e que abastecem a energia utilizada no próprio local.

janeiro 16th 2014 Sustentabilidade brasileira

Projeto de rodovias solares

Nenhum comentário »

Um dos maiores problemas atuais é pensar em tipos de geração de energia limpa. Em um mundo em que somos completamente dependentes da energia elétrica para recarregar smartphones, notebooks, televisores, refrigeradores de alimentos e mais um sem fim de produtos, é absolutamente importante que pensemos no futuro da geração de energia.

E foi pensando nisso que um casal desenvolveu um projeto muito interessante e que seria capaz de revolucionar a geração energética. Scott e Julie Brusaw, de Sandpoint: placas de captação de energia solar nas estradas, ao invés de asfalto. O projeto parece ousado, mas ao mesmo tempo bastante simples. Chamado de Solar Roadways por seus idealizadores, a invenção funcionaria através da implantação destas placas captadores de energia solar, e seriam recobertas por um expesso vidro mas que não fosse completamente liso, em função do atrito e da aderência dos pneus, mesmo em dias de chuva. O complexo seria então formado por: uma camada superior translúcida e resistente com painéis solares, luzes de LED e aquecedores. Abaixo desta, a camada de controle, composta por microprocessadores que acionam as luzes. E por fim, na parte mais interna, uma placa de distribuição da energia elétrica coletada.

A ideia é ótima, e o estado de Idaho, onde o casal vive, pareceu se interessar também, tanto que desponibilizou a quantia de US$ 750 mil para que o projeto fosse colocado em prática, para testes. O casal já conseguiu fazer um estacionamento com estes painéis solares, e tem feito testes também em calçadas e ciclovias. Esta é uma ideia realmente revolucionária e que merece receber todo o apoio em pesquisas, desenvolvimentos e aplicação.

dezembro 10th 2013 Sustentabilidade brasileira

Marco regulatório de proteção de ecossistemas

1 Comentario »

Durante o evento Rio+20, evento ocorrido no Rio de Janeiro e que discutiu diretrizes para o desenvolvimento sustentável do planeta, o Brasil se comprometeu em desenvolver em dois anos um marco regulatório de proteção de ecossistemas. Durante a Conferência, foi discutido como a atual relação com o ambiente marinho tem comprometido algumas espécies marinhas, podendo estas virem à extinção se nenhuma medida for feita.

Atualmente, o Brasil possui a Lei de Gerenciamento Costeiro, instituída ainda em 1988. O problema é que de lá para cá muitas mudanças aconteceram, e esta lei já não dá conta do problema que pode vir a ser criado caso a relação com nossos ambientes marinhos sigam assim. A discussão e criação desde marco regulatório poderá servir como um modelo a ser adotado em outros países, e que poderá regulamentar esta situação.

A discussão para a criação deste marco regulatório já está acontecendo entre parlamentares e representantes do governo, da sociedade civil e da iniciativa privada, embora ainda de maneira  incipiente. O grande obstáculo desta discussão é conseguir um espaço nas câmaras, que, infelizmente, ainda veem o problema ambiental como secundário, principalmente em função de grande parte dos parlamentares virem dos setores empresariais, que viriam a perder lucro em função de uma regulamentação ambiental. Resta agora que fiquemos atentos, e que cobremos daqueles em que confiamos nosso voto (seja via e-mail ou telefone), para que este marco regulatório seja logo sancionado.

outubro 21st 2013 Sustentabilidade brasileira

Projeto de lâmpada que não queima faz com que o idealizador seja ameaçado de morte

3 Comentarios »

São impressionantes as iniciativas das grandes empresas para impedir que ideias sustentáveis ganhem força e que possam sair do papel para realmente entrar no uso cotidiano. Benito Muros é o desenvolvedor deste projeto, uma lâmpada que não queimaria. O projeto de Muros não pára por aí, o pesquisador se dedica a pesquisar maneiras para que os produtos possuam maior tempo de vida e durabilidade. Não precisa ir muito longe para se dar conta de que os grandes fabricantes não olham com bons olhos para as ideias de Muros. Em uma época de aparelhos quase descartáveis, este tipo de iniciativa tende a ser reprimida pelos grandes fabricantes.

A dita lâmpada foi criada pela OEP Eletrics, e possui um real compromisso com o meio ambiente. Além de não gerar desperdício de material, é muito mais econômica, permitindo uma economia de até 92% de energia. Segundo Muros, sua pesquisa começou depois de ficar sabendo de uma lâmpada que está ligada a 111 anos, em Livermore, Califórnia. Sabendo disto, Muros viajou até lá e pesquisou com os descendentes dos criadores da lâmpara, para saber como que ela havia sido fabricada. E foi a partir desta investigação que pode desenvolver sua lâmpada que não queima.

julho 16th 2013 Sustentabilidade brasileira

Economizando água

31 Comentarios »

Quando o assunto é meio ambiente os ânimos sempre acabam um pouco tensos. É correto dizermos que muito da responsabilidade sobre o cuidado com a natureza e com a sustentabilidade vem da iniciativa governamental e privada. Entretanto, não podemos apenas colocar a culpa em alguns líderes abstratos, temos que pensar o que cada indivíduo pode fazer para cumprir a sua parte. O tópico de hoje é sobre a água, um dos principais bens do planeta e que se não for preservado acabaremos a perdendo.

Somos privilegiados, enquanto brasileiros, pela grande quantidade de água que temos no nosso país. No entanto, isso só aumenta a nossa responsabilidade. Vamos então comentar sobre alguns tópicos que podem nos fazer economizar água:

Lavar o carro e calçada – não use a mangueira. Esta é a principal recomendação. Usando a mangueira durante 15 minutos, uma vez por semana, faz com que você acabe gastando quase 15 mil litros de água ao ano. Prefira um balde, vassoura, panos e escovas.

Regar as plantas – prefira regadores. Usando regadores ao invés da mangueira, você economiza menos da metade de litros de água.

Piscina – o grande problema da piscina é a quantidade de água que é evaporada e que precisa ser reposta depois. Recomenda-se o uso de uma cobertura na piscina, que reduz em 90% a evaporação da água.

Louça – Enxague a louça toda de uma só vez, depois de ensaboar todos os ítens a serem lavados. Lavando a louça com a torneira sempre aberta gasta cerca de 240 litros de água em 15 minutos de lavagem. Abrindo-a apenas para  o enxague, este número cai para 80 litros, três vezes menos.

junho 26th 2013 Sustentabilidade brasileira

Ideias que podem mudar o mundo

6 Comentarios »

É, às vezes é incompreensível pensar em como ideias sustentáveis poderosas não recebem apoio para serem melhor difundidas. Em tempos em que cada pessoa possui muitos equipamentos que precisam ser recarregados a todo instante, faltava alguma ideia sustentável que desse conta desta necessidade. Recentemente foi divulgado um produto que, pela ideia, é capaz de carregar baterias apenas com o uso da luz solar. O produto funciona da seguinte maneira: você fixa o carregador portátil no vidro da sua casa, ele absorve a luz solar e armazena a energia absorvida em baterias de íons de lítio. Com este aparelho, é possível carregar completamente uma bateria em um prazo de 5 a 8 horas. A iniciativa vem de uma empresa chamada Kyuho Song & Boa Oh. Com ideias como essas, vemos um breve lampejo do que pode ser um inicio de não dependência da energia elétrica. Com tantas opções de captação de energia que temos hoje em dia, é ainda difícil pensar que dependemos tanto da energia que recebemos das nossas tomadas domésticas, de origem principalmente das usinas hidrelétricas. Vamos divulgar essa ideia, quem sabe com isso podemos exercer alguma pressão para que esse produto possa ser vendido em qualquer loja especializada, em qualquer ferragem.

Lixo, sustentabilidade e mobilidade urbana

4 Comentarios »

O lixo é um problema que acompanha o homem desde os tempos mais primórdios. Afinal, onde colocar aquilo que já não queremos mais? Em um tempo em que a população mundial e as cidades eram bem menores, o problema era mais controlável. Hoje em dia essa já não é mais a nossa realidade. Estamos acompanhando recentemente uma iniciativa em várias cidades brasileiras: são os containers. O assunto é polêmico, e vale a pena que se mantenha em discussão. O primeiro fato: se os containers se propõe a retirar o lixo orgânico das calçadas, então nesse quesito cumpre a expectativa. O lixo orgânico nas calçadas costumava ser aberto por moradores de ruas e pessoas que trabalham com coleta informal de lixo. Além disso, animais costumavam revirar o lixo atraidos pelo cheiro. Ora, muitos containers foram alvo de vandalismo, em protesto por terem tirado certa facilidade desta coleta informal, bem como pela substituição do lixeiro pela coleta automatizada. Neste sentido, estamos falando da perda de empregos. Acredito que o problema, neste caso específico, diga respeito mais ao estado e ao redirecionamento dos trabalhadores do que, necessariamente, manter um tipo de coleta menos eficiente apenas pela manutenção do cargo. Outro grave problema é o lixo seco. Este problema atravessa a esfera educacional, cultural e institucional. Quer dizer, como o estado oferece o serviço e como a população lida com ele. No caso, ambos estão muito além do ideal. A coleta de lixo seco não é diária, o que já é um problema, ainda mais se pensamos no volume que o lixo seco faz. Não há containers para o lixo seco, que deve ser colocado nas calçadas (quer dizer, o mesmo problema que tinha o lixo orgânico). E, por último, falta consciência populacional para não colocar lixo seco no container, esperar os dias certos para colocar o lixo na rua, separar o lixo em casa (que, atualmente, é o mínimo que se pode fazer). Como exemplo para as cidades brasileiras, bem que nossos governantes poderiam dar uma olhada no sistema de lixo que funciona em Barcelona, na Espanha.

Energia eólica

2 Comentarios »

Atualmente, temos ouvido falar sobre o aumento de campos de captação de energia eólica. Este tem sido um recurso bastante usado para conseguir energia limpa, e promete vir pra melhor bastante a qualidade do planeta.

Desde 2005, existe um conselho especifico para tratar de questões ligadas à energia eólica, é o Conselho Global de Energia Eólica (Global Wind Energy Council – GWEC). Este tem conseguido divulgar este tipo de energia, gerando um fórum de discussões bastante relevante. Fazem parte do conselho, membros de mais de 50 países, somando 1.500 organizações.

O Conselho Global de Energia Eólica tem se preocupado atualmente em um projeto chamado Wind Force 12. Este projeto tem como objetivo fazer com que a energia eólica represente 12% da energia consumida no globo, e isto até 2020. É uma proposta bastante ousada, considerando as atuais circunstâncias, mas possível.

A energia eólica é altamente recomendada, e sofre muitos poucos danos em decorrência de intempéries naturais. Não é diminuída em período de seca, por exemplo. Além disso, suas estruturas não agridem tanto o meio ambiente quando a construção de uma hidrelétrica, por exemplo.

novembro 27th 2012 Sustentabilidade brasileira

Sustentabilidade industrial

4 Comentarios »

Um dos assuntos mais polêmicos quando se fala em sustentabilidade e cuidado com o meio ambiente é a indústria. Falando de maneira mais direta possível, as indústrias visam o lucro, não importando, muitas vezes, o que é necessário para isso. Em contrapartida, vemos que as indústrias emitem gases poluentes na atmosfera sem controle, poluem rios, destroem aeras de vegetação nativa, deslocam o ecossistema de determinada região e etc.

Acontece que de alguns anos para cá, está acontecendo um importante movimento de consciência em relação aos cuidados com o meio ambiente. Várias indústrias têm, desta forma, procurado adequar-se, conforme medidas internacionais, como o protocolo de Kyoto.

A grande questão, desta forma, torna-se: como manter uma alta margem de lucro e ao mesmo tempo ter uma indústria sustentável?

É a partir de perguntas inquietantes como esta que os grandes movimentos sobre o cuidado com o meio ambiente têm se baseado, pois não basta apenas que o indivíduo se conscientize e faça a sua parte. A grande contribuição, as mudanças globais virão, em grande parte, da mudança de postura por parte das indústrias.

outubro 27th 2012 Sustentabilidade brasileira